Ir ao cinema para assistir a um filme do diretor mexicano Alejandro González Iñárritu nunca é uma experiência cômoda. Tocando nas feridas mais profundas, o cineasta foge das situações fáceis capazes de arrancar lágrimas e consegue interpretações excepcionais de seus atores. Depois da intensa trilogia Amores Brutos (2000), 21 Gramas(2003) e Babel (2006), Iñárritu traz o ator espanhol Javie Bardem em uma das mais elogiadas interpretações de 2010, que lhe rendeu o prêmio máximo do cinema em 2010: a Palma de Ouro em Cannes de Melhor Ator.


Em Biutiful, Bardem interpreta Uxbal, um homem que descobre estar com um câncer terminal. Pai de dois filhos, Ana (Hanaa Bouchaib) e Mateo (o ótimo Guillermo Estrella), ele precisa, ainda, lidar com a esposa Maramba (Maricel Álvarez, em atuação excepcional), uma mulher que sofre de transtorno bipolar, um complicado distúrbio psicológico. Para sobreviver e cuidar dos filhos, Uxbal se envolve com a vinda de imigrantes senegaleses e chineses para o México, que lhe trarão dinheiro e problemas de dimensões incalculáveis. Dotado de dons sobrenaturais, Uxbal tem, ainda, a capacidade de se comunicar com os mortos.

Mostrando o lado sujo de Barcelona, na Espanha, Biutiful traz personagens reais, despidos de toda sua vaidade para apresentar uma miséria pessoal e social que incomoda o espectador. Da corrupção envolvendo a polícia à exploração da mão-de-obra dos estrangeiros no país, o longa traz temas como vingança, morte, redenção e superação. E todas as situações envoltas na figura de um pai de família em seu limite, impotente diante da morte e que precisa zelar pelo futuro dos filhos, onde a guarda a ser dada para a perturbada esposa está completamente fora de cogitação.


Com um irmão irresponsável (Tito, papel de Eduard Fernández), seu único porto seguro é a amiga Bea (Ana Wagener), uma mulher que, assim como ele, também tem uma relação próxima com os mortos e será seu porto seguro de desabafo e redenção diante de tudo aquilo que ele está vivendo e escondendo do mundo. E nesse caos físico e psicológico, Uxbal passa por um redemoinho de emoções em seu dia a dia, onde cada minuto parece recair sobre o trágico e o incontrolável.

Diante de seu senso de direção impecável, Iñárritu – que dedica o filme ao pai – traz o degradante , a tragédia e a melancolia caminhando lado a lado com os raros momentos de beleza e felicidade. Com situações repletas de personagens, onde o caos reina em sua maioria, sua direção flui. Não parece colocar o espectador dentro de um filme mas, sim, inseri-lo na situação, onde toda a ficção é palpável, dos espaços mortificantes aos dramas apresentados naquele universo. E diante desta angústia catatônica, observamos Bardem, centro de todos os personagens de Biutiful.


Com um roteiro que conta com participação do próprio diretor e com seu estilo inconfundível de filmar – com direito a câmera na mão, curtos e belos momentos de contemplação e até um bem aproveitado uso do plano sequência – acompanhamos um homem desesperançado diante da vida mas que, em momento algum, sucumbe diante dela. E do lado de cá da tela, sem o drama fácil, sente-se o sofrimento brotar na pele e olhar de suas figuras. E, diante de tão densa trama, o choro pode ficar preso na garganta.

Anúncios