A Disney/Pixar  ainda pode ser considerada a grande detentora dos grandes sucessos de animação computadorizada (especialmente após o boom do 3D neste ano de 2010), mas a Dreamworks, quando acerta, deixa crianças e adultos com um sorriso largo no rosto. Foi o caso de Megamente, animação que chega para manter o legado de ótimos longas do estúdio, responsável por pérolas como os dois Madagascar (2005 e 2008), o surpreendente Kung Fu Panda e o insuperável ogro Shrek, que ganhou quatro filmes (2001, 2004, 2007 e 2010).


A vida nunca foi muito justa com Megamente, um ser azul e de olhos verdes que foi enviado para a Terra depois de um colapso em seu planeta de origem. No meio do trajeto, sua cápsula colide com o de outro bebê com super-poderes, que viria a se tornar Metro Man, o seu grande rival por poder e sucesso. Enquanto Metro Man sempre ganhou atenção de todos, sendo o ícone de egocentrismo e charme, Megamente sempre foi o diferente, o excluído, cuja sorte também lhe esqueceu em diversos momentos.

Já adultos, disputam o poder na cidade Metrocity, mas quando Megamente finalmente consegue derrotar Metro Man, o vilão sente-se sozinho, sem ter com quem combater. Assim, tenta gerar um novo super-herói para acabar com seu tédio e assim perpetuar sua jornada em busca da disputa pela cidade. O problema é que, acidentalmente, o destino escolhe o insuportável cinegrafista Hal (Jonah Hill), um melancólico jovem apaixonado pela bela Roxanne (Tina Fey), repórter da TV local. Porém, Megamente descobre que Titan (nome que Hal ganha após adquirir super-poderes), terá maior vocação para a vilania do que para o bem e será capaz de destruir até mesmo a bela jornalista, pela qual ambos estão apaixonados.

Nesta trama de um super-vilão sem um super-herói, Megamente é recheado de referências, bebendo da fonte de obras como Superman e Frankenstein. Com direção de Tom McGrath (dos dois Madagascar), o filme tem um ritmo extremamente ágil e um humor inteligente, que fazem com que torçamos para o vilão, extremamente carismático e empático. A empatia, claro, se dá por conta de seus traumas de infância. Afinal, quem nunca foi ofuscado por alguém no colégio ou se sentiu diferente de alguma forma? A diferença é que Megamente passou por essas situações durante toda sua vida e sempre usou da maldade para conquistar seu lugal ao sol.

A estética de Megamente lembra muito os cabeçudos extraterrestres de Marte Ataca! De Tim Burton. Tendo como eterno aliado o grande amigo Criado (David Cross), um peixe alienígena que vive dentro de uma redoma, Megamente passará por muitas aventuras para tentar salvar  Metrocity, conquistar o coração da bela Roxanne e, claro, escolher entre o Bem e o Mal. Entre cenas de ação de tirar o fôlego – e muito bem criadas e dirigidas – Megamente traz uma trilha propícia (de Lorne Balfe e Hans Zimmer), além de clássicas canções de Ozzy Osbourne, Gun N´Roses e AC/DC. Até a clássica romântica Loving You, de Minnie Riperton, grande marco dos anos 70, ganha força no filme, em situações que, certamente, arrancarão risos da plateia.


Como temos observado em quase todas as animações, Megamente não é apenas uma história de Bons versus Maus, mas sim um aprofundamento nas questões de aceitar o diferente e observar como, nem sempre, algo (ou alguém) é como se acredita que é. Além disso, observar o jeito desengonçado e irônico de Megamente é um deleite para os espectadores.  Afinal, convenhamos, nem sempre o mocinho ganha a atenção dos holofotes e isso fez com que Megamente se tornasse um dos vilões mais adoráveis do Cinema.

Anúncios