A primeira coisa a ser dita a respeito de Preciosa – uma história de esperança é: não é um filme fácil. Baseado no livro “Push”, de Sapphire, publicado em 1996, o filme conta a história da adolescente Clarieece “Precious” Jones (Gabourey Sidibe), uma garota negra e obesa de dezesseis anos que mora no Harlem, em 1987. Motivo de chacota para os alunos do colégio, ela enfrenta uma guerra psicológica e física em sua própria casa, sofrendo as maiores humilhações nas mãos da asquerosa mãe Mary (Mo’Nique). Grávida do segundo filho em consequência dos estupros que sofre do pai ausente, ela precisa enfrentar uma dura batalha em sua vida.

Grande vencedor do Sundance Film Festival de 2009, incluindo o Grande Prêmio Concedido Pelo Júri e o Prêmio do Público, Preciosa – uma história de esperança vem ganhando atenção do grande público por contar uma história repleta de violência e superação. Muito bem dirigido por Lee Daniels e com produção executiva de Oprah Winfrey, o filme toca em temas delicados como incesto, violência doméstica e abandono, e certamente vai emocionar os espectadores.

Conhecida como Precious, a garota cria seu mundo à parte para fugir dos problemas que enfrenta na vida real. Em suas divagações, imagina-se uma estrela de cinema, sonha em ser “magra, loira e conquistar um namorado branco”. Privada de todo e qualquer tipo de carinho, ela se refugia imaginando situações em que seria amada, usando fotografias e filmes. É sua única forma de sobreviver, pois, como ela mesma declara no filme, “gostaria que um piano caísse em sua cabeça” para não ter mais de suportar a dura realidade.

Introvertida, Precious mistura carência e violência em uma personagem totalmente traumatizada pelos rebaixamentos de sua mãe, que sempre fez questão de frisar que ela não seria ninguém na vida, em uma mistura de revolta e ciúmes, acusando a filha de ter lhe roubado o único homem que a amou, “deixando-se” seduzir pelo pai.

Porém, indicada pela diretora de seu colégio, a garota é enviada para uma escola alternativa, onde conhecerá a doce e determinada professora Blu Rain (Paula Patton), que a ajudará de todas as maneiras.

Com ótimas interpretações, o filme se sustenta, principalmente, no conflito entre Precious e sua mãe interpretadas, respectivamente, por Gabourey Sidibe e Mo’Nique. A cantora Mariah Carey também atua no longa, com uma interpretação correta e vem recebido elogios ao despir-se de toda sua vaidade ao dar vida à Srta. Weiss, a assistente social da garota, na qual foi premiada com duas estatuetas: uma Festival de Cinema de Capri e outra no Festival de Cinema de Palm Springs.  Além dela, o cantor Lenny Kravitz também participa de Preciosa, como o enfermeiro John do hospital em que a garota tem seu segundo filho.

Porém, é Mo’Nique quem rouba o filme, como a asquerosa e violenta Mary. A atriz, que já levou o Globo de Ouro, o Screen Actors Guild (SAG) e está indicada ao BAFTA (o Oscar inglês), já é considerada presença garantida nas indicações ao Oscar 2010.

Apesar de ser um soco no estômago, Preciosa – uma história de esperança emociona em seus momentos delicados. E quando tudo parece se ajeitar, uma nova punhalada completa o ciclo de Precious, culminando no confronto final dela com sua mãe, mediado por Weiss, na cena mais emocionante do filme, quando esse caldeirão de conflitos finalmente transborda com culpa, inveja e ciúmes. Merece ser conferido.

Anúncios