Em 1969, um casal de mexicanos perde seu filho para o Demônio após o garoto ser amaldiçoado por causa de um colar dado por uma cigana. Shaun San Dena, a vidente que presencia o evento, promete a si mesma que ainda acertará suas contas com a Besta.

Quarenta anos depois, acompanhamos a vidinha morna de Christine Brown (Alison Lohman), uma infeliz e subestimada funcionária do setor de empréstimos de um grande banco. Ela namora Clay (Justin Long), filho de pais ricos que não aceitam o namoro dele com Christine, a menina pobre.

Certo dia, Christine recusa uma extensão de prazo a sra. Ganush (Lorna Raver), uma cigana que sente-se humilhada pela funcionária e lhe joga um feitiço, que fará com que sua vida se torne, literalmente, um inferno.

Dirigido por Sam Raimi (que assina o roteiro com o irmão Ivan Raimi), Arraste-me para o Inferno traz de volta os tempos de terror trash do início da carreira de Raimi, como Evil Dead (1987). Com uma trilha carregada de cantos gregorianos e bons sustos, o diretor mantém o suspense constante, mesmo com a fraca atuação e empatia sem sal do casal Lohman-Long.

Porém, Arrasta-me para o Inferno ganha ponto alto nas bem sucedidas cenas de ação entre Christine e o Demônio (o que também pode ser traduzido como sra. Ganush). A experiência de Raimi na franquia Homem-Aranha parece ter trazido resultados, visto que as cenas de luta tornam Christine Brown uma espécie de “Rambo de saias”, ou seja, indestrutível.

Violento e trash, Arrasta-me para o Inferno é uma grande homenagem do diretor aos maiores clichês dos filmes de terror, podendo provocar risos e sustos em um espaço de tempo de poucos segundos. Além disso, seus momentos escatológicos podem incomodar os espectadores de estômagos mais fracos.

Christine, considerada paranóica e sem ter a quem recorrer, busca o vidente Rham Jas (Dileep Rao), que descobre que a moça foi vítima de uma maldição egípcia chamada Lamia e a moça passa por situações complicadas envolvendo tanto o noivo como seu emprego, em que concorre a uma disputada promoção.

A única solução: procurar Shaun San Dena, a médium que confrontou a Besta há 40 anos.

O final chega a ser chocante e, como praticamente todos os filmes de terror, dão margem para uma sequência. Para uma safra de filmes que se auto-intitulam terror e se tornam terrir, Arraste-me para o Inferno pode agradar aos fãs do gênero.

Anúncios